Problemas Comportamentais Na Escola: Possíveis Causas e Soluções – Parte 3

O papel dos pais perante o enfrentamento dos problemas de comportamento na escola
Infelizmente, muitos pais somente dão atenção ao comportamento dos filhos na escola, quando recebem um bilhete ou um telefonema, convidando-os para irem à escola conversar sobre o tema. Não deveria ser assim, pois o comportamento da criança ou do adolescente na escola é um aspecto importante na hora de avaliar seu desenvolvimento global.

Ao receber uma comunicação sobre problemas comportamentais do filho, o responsável deve comparecer o mais rápido possível à escola para ter condições de avaliar a gravidade real da questão. Os problemas de comportamento na escola não podem ser negligenciados em nenhuma etapa do ensino. Às vezes, uma simples conversa com a criança resolve a questão. Para que isso seja possível, os pais devem estar verdadeiramente dispostos a escutar o filho e a compreender o porquê de eventuais comportamentos agressivos ou indisciplinados.

Uma parte difícil no processo de compreensão dos problemas de comportamento dos filhos por parte dos pais é a análise dos exemplos que vêm sendo dados. Isso passa pela forma como os pais se relacionam entre si e com outros adultos, pela presença de conflitos familiares e de como eles são resolvidos.

Aqui, mais uma vez, chamamos a atenção para a gravidade dos problemas internalizantes, que não incomodam tanto as outras pessoas, mas que são altamente prejudiciais ao desenvolvimento de crianças e de adolescentes. Por isso, os pais devem ler atentamente os relatórios fornecidos pela escola e perguntar sobre o grau de socialização dos filhos durante as reuniões.

Seja o problema indisciplina, agressividade descontrolada ou retraimento excessivo, quando a conversa sincera e a identificação de padrões familiares negativos não resolvem a questão, é hora de procurar outras alternativas para superar os problemas comportamentais escolares. A consulta com o pediatra pode ser um primeiro passo, já que problemas orgânicos podem ser a causa do comportamento inadequado na escola. Esse profissional também pode encaminhar a criança para outros especialistas, como um psicólogo, neuropediatra ou psiquiatra infantil, ao suspeitar que o problema comportamental pode estar ligado a questões neurológicas ou de saúde mental.

Prevenção e tratamento de problemas comportamentais: a importância da parceria entre a família e a escola
A parceria entre a família e a escola é essencial na prevenção, identificação e tratamento dos problemas comportamentais em crianças e adolescentes. O grande desafio é manter esse vínculo estreito além das séries iniciais do Ensino Fundamental, já que, a partir dessa etapa, em geral se observa uma menor participação dos pais na vida escolar dos filhos.

O orientador educacional é o profissional da equipe pedagógica que tem, como uma de suas funções, o auxílio na identificação das causas e das soluções para os problemas comportamentais dos estudantes. Os pais podem contar com a ajuda desse profissional – além da ajuda do professor, é claro – para compreender o que se passa com o aluno que apresenta problemas de comportamento na escola, independentemente da etapa de ensino.

Podemos dizer que os problemas comportamentais escolares devem ser vistos sempre como sintomas; portanto, o modo de lidar com tais questões passa pela identificação de suas causas e pela construção de estratégias para superá-las ou conviver com elas da melhor forma possível.

Padrões familiares e sociais negativos, doenças físicas e mentais, além de certas condições de saúde, podem estar na raiz dos problemas de comportamento na escola. E os professores e demais membros da equipe escolar jamais terão condições de lidar, sozinhos, com os desafios que tais questões representam. Os pais devem, portanto, se conscientizar de que o estudante que apresenta problemas comportamentais na escola poderá ter prejuízos em sua vida social, afetiva e profissional futura, caso essas questões não sejam encaradas de frente o mais cedo possível. E o enfrentamento de tais problemas passa, necessariamente, pela parceria entre a escola e a família.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima